Procuram-se Membros de Igreja que Conspiram, para o Bem


membrosdeigreja

Se você é como a maioria dos pastores, a última coisa que deseja ouvir é de membros os quais, ao que tudo indica, estão continuamente conspirando contra a unidade no corpo da igreja.

Em qualquer comissão em que tenham assento, em qualquer classe que ensinem, em qualquer amizade que possuam, eles parecem provocar os outros ao descontentamento, às queixas ou até às contendas.

Você talvez se surpreenda ao aprender que o livro de Hebreus convoca os membros de igreja a continuamente conspirarem e provocarem no corpo da igreja. Ele os chama a conspirarem e provocarem para o bem!

Em nossa igreja em Louisville, Kentucky, os demais presbíteros e eu frequentemente lembramos nossa congregação da instrução de Hebreus. Eis aqui o tipo de coisa que dizemos a ela.

Um Pouco de Contexto

A maior parte do livro de Hebreus é um exaltado tratado teológico sobre a pessoa e a obra de Jesus Cristo. Ao longo de nove capítulos, o autor do livro considera atentamente o sistema sacrificial e sacerdotal do Antigo Testamento e defende que ele fora inteiramente cumprido na vida e morte de Jesus.

Com o décimo capítulo, porém, o autor deliberadamente aplica tudo isso à vida de seus leitores. “À luz de todas essas coisas”, ele lhes diz, “vocês devem viver de uma certa maneira”.

Um Pouco de Exegese

Hebreus 10.19-25 repousa no coração dessa exortação. Nesses versículos, o autor chama seus leitores a fazer três coisas: primeiro, eles devem se aproximar de Deus.

Uma vez que Jesus conquistou para eles acesso ao trono de Deus, por sua morte na cruz, eles hão de adorar a Deus não com temor e tremor, mas com total e alegre confiança.

Segundo, ele os chama a conservar a sua confissão; não a retroceder e ser destruídos, mas a crer, a ter fé, e, por esses meios, a salvar a sua alma.

Com essas duas exortações, o autor chama esses cristãos a olhar atentamente para seu coração, mente e alma. Mas há também uma terceira exortação aqui, na qual ele os chama a olhar para fora de si mesmos e focar a sua atenção em seus irmãos e irmãs em Cristo – na igreja.

O autor escreve nos versos 24 e 25: “Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima”.

Por causa de tudo o que Jesus fez, e por causa de tudo o que ele é, os cristãos devem estimular uns aos outros ao amor e às boas obras. Mas como devemos fazer isso?

Por que meios podem os cristãos impelir uns aos outros  à bondade e à santidade? O próprio texto oferece dois caminhos – não deixando de congregar e fazendo admoestações uns aos outros.

Agora, essa frase – “não deixemos de congregar-nos” – é talvez a afirmação bíblica mais clara da obrigação do cristão de frequentar uma igreja local.

Se somos parte do corpo de Cristo, então devemos, de fato estamos obrigados a, nos unir e compartilhar nossa vida com um corpo local de crentes.

Esse verso dificilmente poderia ser mais direto. Mas observe que o mandamento de não negligenciar a congregação não sustenta a si mesmo.

É, na verdade, uma cláusula dependente, ancorada na cláusula principal do versículo. O mandamento de congregar é apresentado como um meio para outro fim. Nós cristãos devemos congregar com o propósito de estimular uns aos outros ao amor e às boas obras.

Frequentar

No mínimo, portanto, devemos dizer que, para todo cristão, frequentar as reuniões da igreja não é opcional. O autor de Hebreus – e portanto o próprio Espírito Santo – ordena que os cristãos estejam presentes quando os crentes com quem eles congregam se reúnem.

De modo bastante prático, isso significa que nós talvez precisemos reorganizar nossas agendas para encontrar tempo para o ajuntamento dos santos. Compromissos de trabalho podem ter de ser deslocados.

Tarefas de casa podem ter de ser feitas em outro momento. Relatórios podem ter de ser preenchidos mais cedo ou mais tarde. A maioria das igrejas se reúne não mais do que duas ou três horas por semana, o que ainda deixa cerca de 145 horas para fazer essas ou outras coisas.

De acordo com Hebreus, encorajar e estimular outros cristãos deve estar no topo da lista de prioridades de todo cristão, e isso significa frequentar as reuniões públicas da igreja.

Mas Não Apenas Frequentar

Mas o autor de Hebreus está convocando a mais do que mera frequência. Muitas vezes, os cristãos tratam a frequência na igreja como mais um item de sua lista de “afazeres cristãos”.

Eles frequentam um culto de igreja, sentam quieta e anonimamente nos fundos do salão, ouvem o sermão com o coração dividido, escapam durante o hino final sem falar com ninguém, e mentalmente riscam o item da semana: “Igreja frequentada.

Hebreus 10.25 obedecido”. Mas isso não é de modo algum o que o autor de Hebreus tinha em mente aqui. Ele não diz simplesmente: “Frequente a igreja”.

Em vez disso, ele põe a frequência à igreja, muito deliberadamente, no contexto de conhecer, amar e encorajar outros crentes. Ele a põe no contexto de estimular uns aos outros ao amor e às boas obras.

Artigo Completo

Leia o artigo “Procura-se Membros de Igreja que Conspiram para o Bem” e veja o desenvolvimento completo do texto. Ver Artigo Completo

membros de igreja

Baixe o eBook Gratuito "Crer é Também Pensar".

John Robert Walmsley Stott,  foi um pastor e teólogo anglicano britânico, conhecido como um dos grandes nomes mundiais evangélicos.

Thiago Aguiar

Thiago Aguiar, Casado com Juliana Aguiar, Cristão, Salvo por Jesus Cristo, Ministro do Evangelho, Bacharel em Teologia, Técnico em Segurança do Trabalho, Empreendedor Digital, Blogueiro, Serve na Igreja Missão Evangélica Pentecostal do Brasil, em Natal/RN.

Website: https://thiagoaguiar.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *